Saudações!!!

"O que não sabe é um ignorante, mas o que sabe e não diz nada é um criminoso." Bertolt Brecht

terça-feira, 26 de outubro de 2010

QUAL O PERFIL DO PROFESSOR NA ATUALIDADE?

                                O PERFIL DO PROFESSOR NA ATUALIDADE!!!

       Neste início de século, onde a informação tem uma velocidade nunca vista anteriormente na história da civilização, o professor tem um papel peculiar no intercâmbio entre a informação e o conhecimento, talvez até na trilha para aquisição da sabedoria. Porque informação e conhecimento não são sinônimos, assim como conhecimento também não é sabedoria, esta só é na medida em que se torna um conhecimento norteado pela ética (visão clássica de sabedoria para os gregos). O professor na atualidade é muito exigido do que em tempos de outrora, tendo que possuir uma visão ampla de todo seu contexto, do passado e tendo que planejar metas bem claras e reais para o futuro.

       É necessário que se tenha uma visão holística, não ofuscada e enganadora pautada de senso comum, que possa permitir uma análise do contexto geral para a utilização de mecanismos na manutenção do espaço educacional e, porque não dizer também escolar e extraescolar. Pois, o processo educacional inicia tanto dentro quanto fora do ambiente escolar, portanto, não dando pra delimitar ao certo onde cada um inicia ou termina.

       A democracia em sua plenitude faz-se de suma importância para a relação interpessoal na medida em que o diálogo é o mediador e criador de um lugar reservado a busca incessante de conhecimento. Sim, ser democrático neste contexto é valorizar o que todos têm a oferecer e ajudar uns aos outros neste processo que é contínuo e permanente.

       Liderança é preciso. Não é porque todos participam e possuem uma atitude altruísta que não seja necessário a figura de um líder (mediador e conciliador). O professor deve ser um líder, aquele no qual seus pupilos possam se espelhar, seguir e respeitar. Primeiro líder de si mesmo. Pois um desequilibrado dificilmente terá controle de si e muito menos de um ambiente de todos, onde será o palco das discussões na busca do bem maior, o conhecimento e, em seguida a sabedoria. Efetivado essa liderança, ele deve ser comprometido e versátil. Sempre mudando para adequar ao tempo presente, visando o futuro e fiel a proposta educacional.

       Os desafios do 3º milênio estão colocando o professor em situações cada vez mais gigantescas, exigindo uma mobilidade constante. E esse indivíduo tem que estar aberto a encarar esses desafios no intuito de cumprir com a finalidade formadora que sua profissão lhe exige, sempre aprendendo para ensinar e nos seus próprios ensinamentos aprendendo, num movimento dialético ininterrupto. Aquele que tiver medo, certamente será engolido pelo próprio sistema neoliberal que coloca o homem numa situação de competição sem fim. Pois na atualidade, competente é aquele que sabe competir e procura encarar os desafios com naturalidade. Quem omitir esta possibilidade será ultrapassado pelos que se adequarem as exigências do momento.

       O currículo deste profissional deve ser recheado de certificados. Lembrando que os certificados devem ser sinônimos de conhecimento e até mesmo de sabedoria. Porque a idéia de que o papel garante a vaga não se faz mais tanto eficaz, apesar de alguns ainda pensarem que sim. A cultura do papel já está caindo por terra. Agora também é necessário comprovar capacidade para ocupar o posto docente.

       Possuir habilidades cada vez mais emergentes, como línguas estrangeiras, conhecimento tecnológico e técnico-científico, relacionamento interpessoal, respeito, liderança, controle emocional, análise (visão) crítica e holística, busca constante e atualizada, adequação, compromisso, ousadia, trabalho em equipe faz do docente um "super-homem" ou um "super-docente". A aquisição de tantas competências demanda tempo e o mundo não pára para esta obtenção, muitas vezes incomensurável, porque estamos falando de um profissional que é humano, que é racional e também emocional, que é sensitivo e também espiritual, que é social e também econômico. A grande questão que fica em voga diante desta situação é: E o ser humano diante de todas estas competências, suprimido por todas essas exigências, como ficará? Os pais/mães de família, filhos/filhas onde ficarão? Como ficarão? Haverá tempo para o pai ser pai, a mãe ser mãe, o filho ser filho?

       Estamos caminhando para um momento crítico do ser humano. A necessidade de um super profissional na docência, mas um humano sem tempo pra si e para os seus fora do ambiente de trabalho. Onde chegaremos se é que estamos indo a algum lugar? O que prentende o sistema ao sobrecarregar esse Ser Humano profissional da educação?

Autor: Neuras

3 comentários:

  1. loucoo pelaa sabedoriaaaa ... isso jáa especifícaa beem quem escreveu tudo issso ... conheçoo Aneurisvaan a quase 2 anoos e sei o quanto ele é uma pessoa cultaa , e o quantoo luta por uma educação melhor ,aléem do meu professor de filosofia é tbm um amigoo , que me surpreende a cada palavra e a cada opinião dita .todos os seus comentários são construtivoos ,e eu não me esqueço nunca de quando vc diiiz :o que vale é o conhecimento aquilo que voce aprendeu e não a nota em números que te avaliaa ...vc é justo ,vc sabe que neem sempre está alii naquele cargo é pq que voce realmentee teem capacidade mais sim pq talveez sejaa convocado .. rs ! cada dia aprendo mais com voceee.

    ResponderExcluir
  2. O texto suscita uma reflexão acerca do papel do professor na no mundo contemporâneo mas se tratando de Brasil, essa exigência é valida? afinal, onde o nosso país se encontra no ranking da educação. Na lanterninha do ranking mundial em Educação, o Brasil se pergunta com grande suspense: Tiritica é ou não analfabeto? Aproveitando o momento político que vivemos, esses candidatos se preocupam mesmo com a Educação?
    Reafirmando o que o autor diz no texto já que informação e conhecimento não são sinônimos, não seria a hora de mudarmos o nosso processo avaliativo? Não seria tempo de acabar com os "decorebas" e ensinar os alunos a adotarem a reflexão critica, a serem senhores de si mesmos, estou falando de autonomia de pensamento.

    ResponderExcluir
  3. Prof , voocê arrasa ! mt boom seu blog *---*
    sauudades . bjs bjs s2'

    ResponderExcluir